Dados

Reamper Lab #21 – Como fica o lado da venda de mídia?

Recebemos Salomão Junior e Hugo Tashiro, da Rubicon

No Reamper Lab dessa sexta-feira (17/11), recebemos Salomão Junior, Country Manager e Hugo Tashiro, Sales Director da Rubicon, para um bate-papo sobre header bidding, formatos de alto impacto, deals garantidos e venda de mídia. Segundo os especialistas, o foco da empresa é automatizar processos de compra, venda, financeiro e tudo o que for repetitivo na parte de compra e venda de publicidade. A principal questão é: a máquina está tirando o emprego do homem?

Para Salomão, isso não é verdade. No entanto, é essencial que as empresas evoluam juntamente com a tecnologia. “O computador trás vantagens, e quem não acompanha fica para trás. Antes, o mesmo anúncio era colocado para uma família inteira, enquanto nos dias de hoje cada um tem um impacto e uma mensagem diferente das marcas”, ressalta.

A tecnologia evoluiu muito, e hoje, conseguimos alcançar a mesma quantidade de pessoas em um tempo muito menor do que levávamos antes. Para Salomão, o mobile será, de fato, a porta de entrada para tudo. Nos Estados Unidos, o aplicativo já domina boa parte da receita de publicidade online, e a maior parte é do celular.

De acordo com o especialista, esse ano ainda tivemos grandes investimentos em desktops e search em portais, mas no futuro a realidade não será a mesma. Acredita-se que, mais para frente, o consumidor irá interagir com a publicidade e será pago por isso. “Um exemplo que já existe é o Vivo Ads. Quando está acabando a internet, é preciso ver um vídeo de 30 segundos para ganhar mais tempo de pacote”, destacou Hugo.

Hoje em dia, grandes empresas como Google, Youtube, Facebook e Amazon têm cada vez mais fechado seu inventário para que um cliente seja dependente (os chamados walled gardens). A maior quantidade possível de dados é reunida, fazendo com que seja necessário usar suas ferramentas para alcançar um cliente em específico. Em paralelo, a Rubicon tem o trabalho contrário com os publishers. “Falamos que se querem competir contra eles, é necessário se unir ao inimigo”, explicou o especialista. “O Estadão e a Folha, por exemplo, são concorrentes, mas estão se unindo para ter uma boa quantidade de dados para oferecerem para as agências, senão ela não vai mais precisar buscar aquele veículo e irá direto nos outros produtos utilizados pela massa, fazendo com que os publishers que tenham curadoria e produção de conteúdo acabem morrendo”.

Outro fator que está cada vez mais recorrente é a publicidade fugindo do tradicional que conhecemos na internet e mobile e alcançando dispositivos inteligentes e realidade aumentada. Toda essa experiência está ocorrendo em outros países e possivelmente chega ao Brasil no próximo ano. Hoje, em alguns lugares, quase todos os tipos de mídia são automatizados, e no país temos alguns exemplos como áudio (Spotify e Deezer) e OOH.

Para mostrar que, hoje em dia, podemos comprar qualquer coisa em qualquer mídia de maneira automatizada, a Rubicon e diversos parceiros veicularam, durante a Adweek, a mesma publicidade em vários tipos de mídia, como é possível ver no vídeo apresentado pelos especialistas:

 

 

No meio de toda a evolução que a tecnologia vem proporcionando ao mercado publicitário, os especialistas compartilharam com a gente quais assuntos foram mais abordados na Rubicon durante 2017 e também para o inicio de 2018:

 

Orders:

  • PMP escalável e com real comprometimento (gPMP);
  • Audiência baseada em público com depósito de dados;
  • 1:1 e Multi Pub Deals, com Publisher Guarantees;
  • Inventários viewable-based e melhores decisões.

Mobile and Video:

  • Header Bidding Mobile para soluções mobile;
  • Aumento no acesso ao inventário do publisher;
  • Drive Brand com melhor tracking e integração de dados;
  • Mais oportunidades de monetização em programmatic in-app.

DSP Tools:

  • Ferramentas self-service: foco em Traffic Management, Data e Insights and Integration Management;
  • Otimização de bid para melhorar lucros e reduzir custos;
  • Placement level vs. page level viewability para a DSP.

Fastlane:

  • Open-Source: Pre-bid Wrapper Management;
  • Drive áudio em RTB;
  • Fastlane Light for faster load times;
  • Server Side HB & XAPI;
  • Fastlane para vídeo.

Pudemos também ver um pouco de como funciona o marketplace da Rubicon, espaço onde é possível encontrar os publishers e negociar diretamente com cada um deles os inventários. O marketplace possui a porta de entrada direta para o publisher, não é restrita para o Brasil e o cliente pode ter acesso a ela e ver tudo que já foi ou está sendo trabalhado por uma empresa. Diversos formatos e acordos podem ser negociados diretamente com quem está vendendo um inventário, e a empresa disponibiliza uma lista de publishers recomendados no Brasil, que tem uma melhor qualidade de atendimento, editorial e que se preocupam com o anunciante.

 

Obrigada pela presença, Hugo e Salomão!

 

 

 

 

 

 

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Início