Artigos Reamp

Especial fraude digital: como se prevenir?

Confira no nosso terceiro dia de especial algumas dicas que podem ajudar a prevenir a fraude digital para o seu negócio

Nos dias anteriores do nosso especial sobre fraude digital, abordamos temas como o que é fraude, como ela pode funcionar e quais casos já pudemos presenciar com grandes empresas na publicidade. Pudemos entender também que o problema de fraudes publicitárias atinge empresas de todos os setores de maneira significativa, e práticas como robôs que geram cliques falsos, malware, fazendas de cliques e roubos de dados pessoais de usuários reforçam a importância de adotar estratégias que protejam a empresa no ambiente digital.

Mas como podemos prevenir que uma empresa sofra ataques de fraude digital? É sobre isso que vamos falar hoje!

Um estudo realizado no primeiro semestre de 2017 pelas agências de publicidade da WPP The & Partnership e conduzido pela Adloox, empresa de verificação de anúncios, estimou que os anunciantes poderiam estar desperdiçando US $16,4 bilhões em tráfegos fraudulentos e cliques feitos por bots em 2017. Esse número é mais que o dobro dos US $7,2 bilhões estimados em 2016 pela ANA (Associação Nacional de Anunciantes).

O mercado da publicidade ainda precisa de respostas quando o assunto é fraude digital. Muitas empresas ainda não entendem essa realidade e, consequentemente, as estratégias elaboradas para controlar o problema ainda são insuficientes. Todos os dias, inúmeros sites são criados com a intenção de enganar anunciantes e veículos, e por mais que seja necessário eliminar o problema de vez, não é algo tão simples de ser resolvido. Pensando nisso, nosso CEO David Reck, um dos especialistas em combate à fraude digital no mercado, deu algumas dicas para prevenir os impactos negativos que a fraude pode causar e nos resultados de campanhas:

  • Avaliar como os parceiros de negócios e tecnologias estão tratando do tema;
  • Exigir transparência no inventário comprado e garantir transparência no inventário vendido;
  • Monitorar todas as campanhas, acompanhando inventários e métricas em geral e avaliando oscilações que podem ser anormais ao comparar com históricos e meses anteriores;
  • Contratar auditoria e monitoramento de entrega de AdServers, identificando exatamente aonde e para quem seu anúncio foi entregue;
  • Utilizar e pagar por métricas que garantem a qualidade de entrega, como viewability em anúncios ou vídeo completion rate em vídeos;
  • Invista em segurança e tecnologias que monitoram e detectam bots, impedindo a fraude e o roubo de informações.

“Se sabemos que um robô pode facilmente clicar no seu anúncio e visitar sua página, quando ele é impedido de agir deve haver redução no volume de cliques e visitas. Contudo, também pode-se esperar uma melhor taxa de conversão e de entendimento do comportamento do consumidor. Alcançando pessoas reais em sites reais, serão removidos ruídos importantes dos KPIs, permitindo maior foco e ações com base em resultados verdadeiros”, explica David.

 

 

Algumas práticas para evitar a fraude de anúncios são essenciais, como por exemplo monitorar constantemente os dados de desempenho para capturar qualquer atividade incomum, atualizar a “black list” de sites para garantir que os anúncios não sejam exibidos em sites suspeitos e, principalmente, trabalhar apenas com sites e redes que sejam transparentes. Embora a solução não seja simples, membros do Conselho da Agência Forbes também listaram o que pode ser feito para proteger os anunciantes de fraudes, e entre as dicas, estão:

  • Utilizar soluções de dados pré-bid na DSP: Ao alavancar segmentos de dados pré-bid através da sua DSP, é possível proteger os clientes da fraude publicitária antes mesmo dela acontecer.
  • Analisar manualmente os dados: a rápida expansão da fraude publicitária pode ser automatizada através de segmentos de dados de verificação de anúncios e contextos pré-oferta, mas, além disso, é fundamental ter uma posição mais imersiva ao analisar os dados manualmente;
  • Diversificação é fundamental: embora ferramentas possam ser utilizadas para monitorar a fraude, é importante não confiar apenas em um único canal como seu principal driver de tráfego para o site. Ter uma abordagem diversificada ajuda a construir canais de vendas digitais, ajudando a minimizar danos caso uma campanha não seja bem-sucedida – ou, pior, seja falsa;
  • Monitorar e medir para limitar a fraude do anúncio: monitore o desempenho de sua publicidade e mire na eficácia das fontes de tráfego para limitar as fraudes. Ao trabalhar continuamente para melhorar uma campanha, é possível identificar problemas e fontes de tráfego de baixo desempenho, redirecionando a empresa para o que está ajudando a atingir seus objetivos;
  • Utilizar AI para verificação de páginas: existem inúmeros tipos de fraude publicitário e nenhuma solução fácil para elas, portanto, é importante oferecer máxima transparência. Para garantir que os compradores estão recebendo o que pagam, a tecnologia precisa trabalhar apenas com parceiros confiáveis e alavancar AI para examinar páginas como um ser humano, garantindo que os anúncios aparecem apenas em locais apropriados;
  • Faça a lição de casa: a fraude de anúncios em vídeo é prejudicial. Para os anunciantes, é fundamental garantir que o mercado de vídeos esteja protegido contra falsos usuários. Inclua relatórios, defina limites de qualidade predefinidos e solicite que as agencias comprem de publishers confiáveis com tecnologias de verificação e medições de qualidade;
  • Concentre-se nas métricas certas: insista na avaliação de campanhas por métricas de conversão: quantas inscrições reais, quantas compras reais e quantos usuários reais geramos.

 

Importância da auditoria de mídia na prevenção contra a fraude

Para David Reck, a publicidade é um alvo frágil para fraudes pois não deixa evidências físicas. “Assim como a tecnologia evolui e traz novas possibilidades, os métodos e tipos de fraude também se atualizaram e criaram novos caminhos. Enquanto algumas poucas empresas lutam contra o roubo virtual, outras vendem ferramentas para criar fraude e até oferecem suporte eletrônico 24 horas”, explica.

Por mais que eliminar o mal pela raíz seja impossível, a auditoria de mídia tem um papel importante na prevenção contra a fraude, ajudando a minimizar seu impacto negativo. A estratégia trata-se de uma revisão de toda a mídia de uma empresa, ou seja, o estudo e análise se perfis, conteúdos, posts, frequência de postagens, engajamento da audiência e todos os aspectos que mostrem seus pontos fortes e fracos.

A partir dessa coleta de informações, é possível, em seguida, otimizar resultados e melhorar os canais de mídia da empresa. Por meio dessa auditoria, que normalmente é feita por agências e fornecedores, uma empresa consegue ter uma maior transparência de seus dados, maior mensuração de métricas e menor quantidade de anúncios e sites fraudulentos, evitando, assim, que seus anúncios não sejam vistos por seres humanos e impactem a audiência correta.

O adserver é um servidor de publicidade online, e tem como principal função hospedar, gerenciar e entregar criativos em espaços publicitários. Entre suas diversas funcionalidades, a tecnologia permite, por exemplo, controlar inventário de impressões, fornecer relatórios sobre o comportamento dos usuários diante das peças e, do lado do advertiser, possibilita a auditoria de relatórios de entrega disponibilizados.

Com tantos conteúdos, formatos e fontes online que podemos ter acesso hoje em dia, tornou-se ainda mais necessário entregar uma mensagem no ambiente correto. Por isso, ter uma ferramenta como o adserver que mede e controla essa entrega de mídia por meio de uma auditoria é fundamental, e garante maior segurança para agências e anunciantes. Assim, é possível saber que a entrega foi realizada de maneira correta, no local desejado e minimiza problemas gerados pela fraude.

 

 

Ads.txt: o que é e como funciona?

Com o objetivo de combater a fraude digital, a IAB (International Advertisement Bureau), órgão internacional que ajuda o mercado publicitário a implementar padrões, criou no último ano o ads.txt, novo padrão de verificação de inventário.

Basicamente, o ads.txt (ou Vendedores Digitais Autorizados, tradução de Autorized Digital Sellers), é um algoritmo desenvolvido para ser adicionado ao nome de um site, como por exemplo www.dominio.com/ads.txt, e possui uma lista de empresas e/ou agências que são autorizadas a venderem seu inventário naquele determinado site.

Dessa maneira, o arquivo listado com usuários autorizados é carregado diretamente no servidor da web, e as agências devem gerar um arquivo informando que são autorizadas a venderem inventário no site. De acordo com o ExchangeWire, apenas 34% dos maiores veículos americanos já aderiram à iniciativa, mas o número tende a crescer cada vez mais.

Hoje em dia, tornou-se essencial que um veículo tenha atenção ao vender inventários de anúncios em seu domínio, já que inúmeras empresas fraudulentas podem se passar por agências. Por isso, ter o controle de quem são as pessoas que estão comprando inventários é importante, e o ads.txt surgiu como uma maneira de aumentar a segurança dos sites e permitir maior transparência, evitando fraudes.

O ads.txt é gratuito e de baixa tecnologia. Embora não seja um remédio contra todos os tipos de fraude, é uma ferramenta chave para racionalizar a cadeia de valor em um negócio onde é possível comprar e vender estoque várias vezes. Qualquer um que compre o inventário pode garantir que o seu “fornecedor” seja confiável e tenha os relacionamentos comerciais que pretende ter.

Não se sabe ao certo como será utilizado por cada empresa, mas a adoção do ads.txt pelo Google já ajudou a minimizar a fraude publicitária, de acordo com o The Wall Street Journal. O preço médio do inventário de anúncios online comprado através das plataformas de compra de anúncios do Google aumentou desde a adoção da tecnologia, em novembro de 2017, indicando que a luta da empresa contra a fraude publicitária está começando a funcionar. O mérito desse passo foi atribuído pela empresa ao ads.txt, que inibe os fraudadores de listarem e venderem inventários de anúncios falsificados e, assim, aumentando o valor do inventário de anúncios legítimos.

Ok, já sabemos algumas dicas e como podemos nos prevenir dos problemas causados pela fraude digital. Mas quais são as previsões para 2018? Quanto o mercado publicitário pode perder nos próximos anos com a fraude e quais tecnologias estão surgindo para nos ajudar? Confira no nosso último dia de especial aqui no blog!

#EspecialFraude

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Início