Artigos Reamp

O melhor do nosso blog em 2017!

Confira quais foram os assuntos que mais abordamos no último ano aqui no blog

Durante todo o ano de 2017, abordamos aqui no blog diversos temas do mercado de marketing digital. Passamos por pilares como mídia, estratégias de negócio, gestão de dados e tecnologia e procuramos sempre mostrar os principais e mais relevantes assuntos sobre cada um deles. Além disso, falamos sobre alguns eventos que ocorreram no mercado e sobre aqueles que a nossa equipe esteve presente ao longo do ano, incluindo o Reamper Lab, evento semanal criado dentro da Reamp que trouxe diversos especialistas de diferentes áreas e empresas para debates sobre o cenário atual e o futuro do mercado de publicidade digital no Brasil e no mundo.

Pensando nisso, preparamos um post especial para relembrarmos os principais assuntos que foram discutidos no blog, trazendo os temas que foram mais acessados e comentados pelos usuários e aqueles que nos mostram as principais tendências para esse ano de 2018! Vamos conferir cada um deles no detalhe:

 

O ano da mídia programática e do combate à fraude digital

Podemos considerar que 2017 foi o ano da mídia programática dentro do mercado digital. Esse novo método de compra de mídia vem crescendo e sua tendência de crescimento é ainda maior para os próximos anos. Resumidamente, a compra de um inventário é toda feita de maneira automatizada e não envolve negociação humana, além de permitir a compra de diversos formatos como display, mobile, social e vídeo de maneira centralizada em uma única plataforma. Foi nesse ano que tivemos o primeiro modelo de compra de mídia programática para televisão no Brasil, projeto encabeçado pela RedeTV, Cadreon e Unilever que permite segmentar a audiência na hora de comprar a mídia durante um programa, por exemplo.

Nos últimos tempos, o setor de programática vêm passando por algumas mudanças, e o header bidding surgiu como uma das soluções para unificar leilões e permitir que o publisher disponibilize seu inventário de maneira horizontal, conectando várias ad exchanges ao mesmo tempo. O objetivo é fazer com que exista uma concorrência justa e transparente entre os inventários, e como resultado, os publishers finalmente conseguirem vender seu inventário de anúncios com o menor preço. O impacto na receita desses publishers é significativo, além de permitir que os anunciantes obtenham impressões com alta prioridade. 

Por outro lado, a fraude digital continua sendo uma grande vilã no mundo do marketing digital. Ela pode impactar de diferentes maneiras, e muitas vezes ainda passa despercebida pelas marcas. Um exemplo de fraude são sites criados para forjarem impressões e cliques de anúncios, fazendo com que os anunciantes paguem por interações que foram realizadas por robôs, e não seres humanos. O problema já atingiu grandes marcas em campanhas publicitárias e cresceu significativamente em 2017. Esse com certeza é um dos grandes desafios que se mantém para 2018 e que vai exigir muita atenção de todos os players do ecossistema de mídia digital.

E é por isso que o assunto blockchain é cada vez mais falado dentro do mercado publicitário, trazendo a tecnologia que promete aumentar a transparência entre os processos e os players do mercado, reduzir fees e eliminar a possibilidade de fraude na compra e venda de mídia. Além disso, um novo algoritmo chamado ads.txt foi desenvolvido para estar no nome do site com a lista de empresas e/ou agências que são autorizadas a venderem inventário nesse determinado site, evitando assim que empresas fraudulentas se passem por agências. De acordo com pesquisa do ExchangeWire, poucos publishers no mundo já aderiram à iniciativa (cerca de 34% dos maiores veículos americanos), mas espera-se que o número cresça cada vez mais.

Em meio a tantos casos de fraude digital, garantir a reputação da sua marca tornou-se essencial para qualquer empresa. Principalmente se considerarmos também portais que surgiram para disseminar conteúdos falsos, as chamadas fake news, o que pode ser extremamente prejudicial para a imagem de uma marca. Por isso, algumas medidas como o brand safety se tornaram prioritárias para marcas terem seu conteúdo sempre vinculado à inventários e publishers de qualidade, que garantam um bom conteúdo e tráfego autêntico.

A mobilidade dos usuários também foi um assunto que esteve em pauta durante todo o ano. Estamos vivendo a era da mobilidade, e cada vez mais podemos observar o crescimento de dispositivos móveis e a interconectividade entre aparelhos. Por esse motivo, é essencial que a publicidade também se adapte a essas novas tecnologias e invista em formatos de qualidade para propagandas em smartphones e tablets, por exemplo. Alguns formatos de publicidade irão crescer ainda mais no futuro, e estratégias como a geolocalização estão crescendo e sendo fundamentais para marcas alcançarem o consumidor certo, no momento certo e com a mensagem certa. No entanto, não vale fazer de qualquer jeito. É muito importante avaliar a qualidade e a forma com que sua empresa se comunica com o público. Cada vez mais, anúncios intrusivos e sem contexto são recriminados pelo mercado e alguns usuários tem adotado tecnologias como adblockers para evitar experiências desagradáveis e que afetem sua navegação e experiência online.

 

 

A importância do uso e automação de dados

Hoje, é possível entendermos muito sobre um consumidor a partir dos lugares que ele frequenta e quais sites visita na web, assim como saber suas necessidades e interesses. Cada interação e ação dos usuários com a marca gera dados que podem ser coletados para entender melhor seu comportamento, hábitos de consumo e desejos. Além disso, existem diferentes empresas que vendem e oferecem dados, permitindo ampliar e enriquecer os dados e conhecimento sobre os usuários.

Esse enorme volume e quantidade de dados disponível é chamado de Big Data. Esse dados são coletados e armazenados diariamente (muitas vezes até em real-time) a partir de informações dos próprios consumidores e dos canais digitais para serem analisados em seguida. Apesar da sua complexidade, o Big Data vem crescendo de maneira extremamente rápida nos últimos anos e diversas das suas tecnologias prometem ser tendência em 2018

Por termos acesso a uma quantidade enorme de dados atualmente, tornou-se essencial analisarmos a qualidade dos dados de audiência para entender quais são úteis e nos permitem segmentar anúncios da melhor maneira possível. Nem todos os dados são criados igualmente e nem todos tem o mesmo valor, portanto, é importante entender de onde eles foram originados e quem possui esses dados. Dessa maneira, é possível segmentar seu público e tornar uma campanha específica e personalizada, criando anúncios dinâmicos e customizados para cada tipo de audiência.

No entanto, devido a essa enorme quantidade de dados existentes, tornou-se impossível para seres humanos realizarem esse trabalho na velocidade necessária. Cada vez mais, as empresas estão adotando tecnologias específicas e automatizando o processo de coleta e armazenamento de dados. Ao utilizar essas tecnologias, os profissionais focam na segmentação e análise de dados, buscando oportunidades para otimizar recursos, direcionar conteúdos e campanhas ou criar experiências específicas com base nos dados apurados.

Entendendo essa necessidade cada vez maior de automação de processos e acompanhamento dos resultados, lançamos em 2017 a nova versão do Reamp Datahub, ferramenta gratuita que oferece uma visão unificada sobre os dados de campanhas e negócio. O objetivo do Datahub é integrar diferentes fontes de dados, criar uma base unificada e centralizar a visualização dos diversos indicadores de sucesso, facilitando assim a análise dos dados e agilizando a tomada de decisão. Toda a parte de coleta de dados, extração e produção de relatórios passa a ser automática e deixa de ser feita pela equipe, que se dedica a atividades e funções mais estratégicas e rentáveis.

 

 

Inteligência artificial e o impacto na experiência do consumidor

Hoje em dia já presenciamos mudanças que não conseguíamos imaginar anos atrás, e grande parte disso é graças à inteligência artificial, assunto muito debatido no nosso blog ao longo do ano.

Diversas funcionalidades começaram a ser desenvolvidas e utilizadas no dia a dia por causa da “inteligência das máquinas”. Hoje, já podemos até mesmo ver robôs indicando produtos para clientes, sendo incorporado em estratégias de marketing, dirigindo carros e até fazendo diagnósticos médicos. Tudo isso é possível por causa do machine learning, método aplicado para ensinar aos algoritmos de um computador e permitir que eles acessem dados, analise-os e utilize eles para aprender novos insights e soluções que não foram previamente ensinadas a ele.

Essas novas tecnologias são cada vez mais importantes para o desenvolvimento de uma marca e para a experiência do consumidor. Quanto mais dentro das tendências uma empresa estiver, melhor será a relação e experiência com o seu público alvo. Isso acontece porque eficiência, praticidade e rapidez no atendimento são características extremamente valorizadas nos dias de hoje, e podemos ver exemplos na otimização de serviços por meio dos chatbots e de produtos de realidade virtual, iniciativas cada vez mais adotadas. Essas duas invenções estão revolucionando o relacionamento de marcas com os consumidor e o modo como ele se comporta no consumo de produtos, serviços e conteúdos.

Esse novo cenário tecnológico no qual estamos inseridos nos permite também ter acesso à novos produtos e serviços que se conectam à internet para realizarem alguma função específica, como por exemplo uma Smart TV que tem acesso ao Youtube e à Netflix, ou um videogame que é acessado online. A Internet das Coisas (IoT) está evoluindo e tem como objetivo fazer com que cada vez mais objetos estejam conectados, revolucionando o relacionamento entre humanos e tecnologias e otimizando processos, produtos e serviços. Se o volume de dados hoje em dia já é enorme, a evolução da Internet das Coisas nos próximos anos promete transformar radicalmente a vida de consumidores e marcas.

 

 

A constante mudança do comportamento do consumidor

Outra grande mudança que pudemos notar em 2017 foi nos hábitos de consumo dos usuários na internet. Cada vez mais, graças à tecnologia, o consumidor pode ter acesso à uma maior quantidade de informações e ofertas e, por isso, aprendeu a selecionar e valorizar mais os conteúdos que sejam de qualidade e marcas que se identifiquem. Hoje em dia podemos ter acesso à um número quase infinito de conteúdos online, e por isso, as marcas estão começando a deixar de lado a ideia de “comprar” o cliente com produtos e serviços para conquistá-lo com ofertas e experiências relevantes.

Essa nova estratégia de marketing é conhecida como Inbound Marketing e tem como principal estratégia ganhar o interesse do cliente com um conteúdo de qualidade. Para isso, é necessário o investimento em informações interessantes e estar presente nos mesmos ambientes que seu público-alvo. Hoje em dia, grande parte das empresas já entende a necessidade de engajar seu público em redes sociais, por exemplo, para atendimento, comunicação e divulgação de uma marca, fazendo com que o cliente sinta-se mais próximo, interaja mais e, consequentemente, crie uma lealdade com ela. Pensando nisso, listamos algumas tendências de marketing de conteúdo que podem ser seguidas por empresas que desejam melhorar a experiência do consumidor e gerar conteúdos de qualidade.

Todas essas mudanças nos hábitos de consumo estão refletindo também em mudanças significativas no setor varejista. Pesquisas mostraram que as compras em varejo online têm crescido e a tendência é crescerem cada vez mais. Por isso, é importante que as empresas entendam a importância de otimizarem seus serviços e investirem em meios online de comunicação e atendimento aos clientes. A estratégia omnichannel, por exemplo, pretende oferecer uma experiência de compra melhor aos clientes por meio de uma abordagem de comunicação e vendas multicanal. Assim, o cliente pode fazer um pedido de um produto em uma loja física ou no aplicativo de celular, por exemplo, e receber em casa. Um canal ajuda o outro a oferecer uma compra otimizada ao cliente.

Outra estratégia de marketing que vêm crescendo e foi muito abordada no nosso blog ao longo do ano é a de video marketing. O investimento em anúncios de vídeo aumentam conforme plataformas como o Youtube tornam-se um cenário propício para marcas que procuram oportunidades de promoverem seus conteúdos de maneira criativa. Hoje, são 1,5 bilhão de pessoas inscritas no site, o que mostra que seu crescimento deve ser notado pelas marcas apesar de estar passando por novas políticas que desagradam anunciantes. Essa ascensão no consumo de vídeos online abre espaço para anúncios nesse formato e de diversas maneiras, como foi o caso dos bumper ads, amplamente utilizado durante esse ano.

Todo esse novo cenário no marketing, novas estratégias e meios de comunicação nos possibilitam uma maior rede de comunicação com usuários em qualquer lugar do mundo. Hoje, muitas vezes antes de realizarmos uma compra, procuramos por indicações de pessoas que confiamos e já utilizaram o produto ou serviço para saber se realmente vale a pena comprar. Essa rede de colaboração vêm crescendo cada vez mais e uma delas chama a atenção: o influencer marketing, ou seja, marketing de influenciadores. A estratégia é utilizada por marcas que fazem parceiras com grandes ou micro influenciadores que tenham um número significativo de seguidores fieis para divulgarem seus produtos. A opinião dessas pessoas é relevante para uma grande quantidade de pessoas online, e ter sua marca vinculada a ela é uma boa estratégia para marcas que desejam potencializar seus resultados de maneira rápida.

 

 

Reamper Lab

Você já conhece nosso Reamper Lab? Toda sexta-feira trazemos na Reamp especialistas de diversas áreas para debaterem sobre assuntos do mercado, trazendo diferentes visões. O evento, que iniciou em 2017, já abordou temas como tecnologia, mídia, inovações e tendências e trouxe grandes empresas como UOL, Nielsen, Oath, IBM e comScore. Confira a retrospectiva que preparamos com todos os debates que foram feitos ao longo do ano.

Os temas mais acessados em 2017 pelos usuários do site foram: mídia programática na UOL e como ela funciona na empresa, universo mobile e suas possibilidades no Brasil pela equipe da Hands e como funciona e quais as possibilidades da ferramenta de inteligência artificial da Stilingue. Para ver os outros Labs que rolaram durante todo o ano na Reamp, clique aqui.

 

 

Eventos

Em 2017 também estivemos presentes em diversos eventos que falaram sobre o mercado de marketing digital, abordando metodologias, tecnologias, estratégias e tendências para os próximos anos. No RD Summit 2017, por exemplo, pudemos acompanhar palestras com especialistas de grandes empresas como Google, Netflix, Buscapé e Netshoes, ampliando nossa visão e trazendo insights e idéias sobre novas metodologias de trabalho, cultura empreendedora e customer success.

Alguns dos nossos especialistas também estiveram presentes no evento “Social Miner Insights”, evento dentro do Google Campus que discutiu sobre People Marketing. Neuromarketing e a comunicação efetiva entre empresas e consumidores; o evento “Mobile Sessions”, da Vivo Ads, que teve como principal objetivo reunir debates sobre tendências do mercado e publicidade móvel; e no Google Cloud Summit, que reúne desenvolvedores, clientes, parceiros, profissionais de TI e da área de tecnologia para discutir sobre a utilização e futuro da nuvem.

Além disso, marcamos presença em eventos como ProXXIma, Expo Digitalks, IAB Adtech&Data 2017, Adobe Innovation Sessions, ABAV, Fórum E-Commerce Brasil, Vtex e Maxi Midia.

 

 

Todos os assuntos abordados no blog em 2017 foram pensados nas maiores tendências do mercado atualmente, com o objetivo de expandir o conhecimento sobre cada um deles e trazer o que há de mais novo para os nossos leitores.

Em 2018 prometemos trazer ainda mais conteúdo relevante para vocês!

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Início