Mídia

Facebook Voice Clips, novo recurso de áudio da rede, já está sendo testado

Nova atualização permite que usuários gravem um clipe de áudio curto e publiquem no seu status

Utilizar recursos por voz em smartphones vêm se tornando uma tendência cada vez maior entre seus usuários. Diversos dispositivos controlados por voz como a Siri, da Apple, e a Alexa, da Amazon e o Google Home tornaram-se ainda mais populares no último ano, e permitem obter dados dos consumidores que não podiam ser obtidos antes. Hoje em dia temos acesso à informação quase instantaneamente, e as buscas e conteúdos por voz ajudam a otimizar o tempo de pesquisa para encontrar o que procuramos.

Pensando nisso, o Facebook está testando um novo recurso chamado “Facebook Voice Clips” no seu menu. A nova atualização permite aos usuários gravarem um clipe de áudio curto e publicá-lo como um status, além de ser possível ouvir a gravação antes de postá-la. Mais íntimo do que um texto mas mais fácil de gravar do que o vídeo, o Facebook espera que a voz faça com que as pessoas compartilhem mais conteúdos na rede social. E internacionalmente, onde os usuários podem ter que lidar com teclados de idiomas não-nativos, os áudios permitirão que eles se comuniquem sem barreiras de digitação.

“Estamos sempre trabalhando para ajudar as pessoas a compartilhar e se conectar com seus amigos e familiares no Facebook de maneiras que sejam autênticas para eles. Clips de voz dá as pessoas um novo meio através do qual se expressar”, ressaltou um porta-voz do Facebook ao TechCrunch.

 

Como funciona o Facebook Voice Clip?

O recurso, que já está sendo testado para alguns usuários na Índia, foi utilizado pelo TechCrunch para uma amostra. Para processar o áudio, os usuários selecionam “adicionar clip de voz” no menu de atualizações de status que inclui carregamentos de fotos, check-in de local e muito mais. Depois de gravado, é possível visualizar o clipe (mas não editá-lo), e compartilhar no feed de notícias onde os amigos podem ouvir a reprodução que é feita em forma de onda. Mas, ao contrário de alguns aplicativos de áudios, os usuários não conseguem fechar o Facebook e continuar ouvindo porque, tecnicamente, o clip é registrado como um vídeo.

 

Fonte: TechCrunch

 

A nova atualização está sendo testada primeiramente na Índia, que possui 22 idiomas populares. Escrever em uma segunda língua pode ser difícil. No ano passado, o Google adicionou suporte para 11 idiomas indianos adicionais em seu aplicativo de teclado Gboard para se adaptar ao mercado. O Facebook quer continuar crescendo apesar de atingir a saturação em alguns dos principais mercados ocidentais, e a população da índia de 1,3 bilhão é altamente atraente.

Se o recurso de clips de voz se revelar popular, ele pode se deslocar para outros países. A ideia do Facebook é abranger todas as formas de compartilhamento e a voz é talvez o meio de comunicação mais instintivo, e além do Voice Clips, a empresa está trabalhando em home speakers inteligentes chamados Fiona e Aloha, que inicialmente deverão ser lançados em julho.

Projetado pelo laboratório de hardware do Building 8 do Facebook, o modelo Aloha é supostamente mais sofisticado do que Fiona. “O modelo Aloha, a ser comercializado sob o Portal, usará comandos de voz mas também contará com reconhecimento facial para identificar usuários para acessarem o Facebook através de uma lente grande angular na parte frontal do dispositivo”, explicou um relatório da Digitimes.

 

Quais são as vantagens do recurso?

O Facebook passou anos lutando para que as pessoas compartilhassem conteúdo pessoal mais exclusivo no aplicativo em vez de links genéricos de notícias que o público pode encontrar em outros lugares, como o Twitter. A transmissão de conteúdo original diminuiu 21% em relação ao ano anterior em meados de 2015, e caiu mais 15% a partir de 2016, de acordo com informações da própria empresa. O conteúdo original mudou para o Instagram, mas também competidores como o Snapchat com suas histórias imersivas em tela cheia.

O problema do Facebook é que ele se torna um lugar para compartilhamento de links virais. A empresa tentou combater isso priorizando amigos no feed de notícias, downranking público e conteúdo de publicações de notícias e apresentando seu próprio recurso de histórias. No entanto, a rede social ainda viu seu primeiro declínio nos usuários ativos diários dos EUA e Canadá no quarto trimestre de 2017, perdendo 700.000 – embora isso tenha sido contribuído pelas novas mudanças.

Os clipes de voz podem permitir que as pessoas compartilhem conteúdo atraente e profundamente pessoal, mesmo que eles estejam em casa e não em algum lugar interessante, não tem captura de vídeo ou habilidade de edição, não são atraentes na tela ou não possuem uma boa câmera e smartphone. O Facebook já oferece compartilhamento de clipe de voz privado através do Messenger, mas a popularidade do podcasting explodiu nos últimos anos.

Além dessas vantagens que o recurso pode trazer para a empresa, dois pontos interessantes foram destacados pelo Marketing de Conteúdo:

  • Permite que os usuários dialoguem pela rede com mais facilidade e on the go, o que pode ser bastante atrativo considerando o potencial das buscas por voz e conteúdos em áudio, principalmente entre as novas gerações;
  • É um novo formato de compartilhar conteúdo e criar experiências entre os usuários da rede.

 

Possibilidades do áudio digital e suas tendências

Com o crescimento de serviços streaming – principalmente em setores como a música – o áudio vem cada vez mais se transformando e ganhando espaço no ambiente online. A publicidade digital, inclusive, tem entendido a importância de investir em anúncios de áudio, que podem ser ouvidos tanto online quanto off-line, em qualquer lugar ou horário.

Recentemente, uma pesquisa apontou o aumento de consumo de áudio digital entre os brasileiros, e o mercado tende a crescer cada vez mais com inovações como a do Facebook. De acordo com o IAB, anunciantes gastaram US$ 72,5 bilhões em mídias digitais no ano de 2016, sendo apenas 2% o gasto em áudio digital. No entanto, a receita gerada foi de US$ 1,1 bilhão de dólares e, embora os investimentos nesse meio ainda sejam poucos, anunciantes já estão percebendo a sua eficiência.

A pesquisa publicada pela MMA (associação sem fins lucrativos de mobile marketing) com patrocíbio da Audio.ad revelou que o brasileiro escuta, em média, 10h45 de áudio digital por semana. Dos entrevistados, 94% escutam áudio digital pela internet, serviços de streaming e outras mídias online, e a faixa etária que mais utiliza o modelo é de 35 a 44 anos.

Rodrigo Tigre, sócio-diretor da RedMas no Brasil, empresa especializada em ferramentas de publicidade digital, escreveu em artigo para o Proxxima o que acredita que serão as maiores tendências do áudio digital para os próximos anos, e o Smart áudio é uma delas. “entre os consumidores, o segmento de dispositivos de assistência controlados por voz vive uma fase de expansão. Segundo relatório da Edison Research e Triton Digital, 7% dos norte-americanos com mais de 12 anos já tinham um smart speaker em casa no início de 2017. O Alexa, da Amazon, é o líder de mercado com folga, seguido pelo Google Home. Ano que vem é a vez da Apple, que vai lançar também a sua caixa de som inteligente, o HomePod”, destaca o especialista.

Além do Smart áudio, outras tendências apontadas incluem podcasting, geolocalização, carros conectados, áudio 3D, áudio programático, escuta completa, interação com o conteúdo, sessão patrocinada e assistente pessoal móvel. O cenário é vantajoso para novos recursos de áudio digital, e por isso, investir neles como o Facebook têm feito, pode trazer benefícios e novas formas de compartilhamento de conteúdo que vão fazer sucesso.

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Início