Artigos Reamp

Especial marketing de conteúdo: quais canais de comunicação devemos utilizar?

Confira, no nosso terceiro dia de especial sobre marketing de conteúdo, como utilizar os principais canais de mídia online na sua estratégia

Nesta altura do nosso especial sobre marketing de conteúdo, você já entendeu do que se trata o tema, certo?

No entanto, sabemos também que realizar uma boa estratégia não é algo fácil. Para que o trabalho tenha sucesso, é necessário que a empresa siga diversos passos de planejamento, execução e mensuração de resultados, conforme já abordamos anteriormente.

Ok! Mas então, para que eu consiga realizar um marketing de conteúdo assertivo, basta eu elaborar uma maneira de falar com os meus clientes e procura-los em todas as redes sociais ou outros meios de comunicação? Não é bem assim que funciona! Na verdade, é um pouco mais complexo do que isso…

O primeiro passo, como já sabemos, é realizar um bom planejamento de conteúdo e, principalmente, conhecer o seu usuário. Isso é fundamental para que uma empresa saiba suas necessidades, seus desejos e também qual é a melhor maneira de se comunicar com ele. Além disso, é importante ressaltar também que nem sempre o seu público-alvo estará presente em todos os canais de comunicação. E por isso devemos saber aonde encontra-lo!

 

Quais são os canais de comunicação mais comuns para o marketing de conteúdo?

Atualmente, temos centenas de maneiras de nos comunicarmos online com algum usuário. Não existe, no entanto, um canal melhor ou pior do que o outro na hora de impactar um cliente. O que mais importa, na realidade, é saber aonde sua persona está e investir em conteúdo de qualidade ali.

A partir do momento em que você tem uma persona, um público-alvo e um funil de vendas bem estruturado, torna-se ainda mais fácil de saber aonde seus clientes ou possíveis clientes se encontram. Hoje em dia, existem alguns principais canais de aquisição para a produção de marketing de conteúdo, e cada um deles exige uma maneira diferente de comunicação com a audiência. São eles:

 

1. Blogs:

Engana-se quem acredita que, com a evolução da tecnologia e das mídias sociais, os blogs tornaram-se ultrapassados. Eles ainda são um instrumento poderoso na criação e produção de conteúdo relevante, e também a maneira mais comum de atrair clientes e possíveis clientes que desejam saber mais sobre seus produtos ou serviços, gerando leads que vão, futuramente, realizar conversões para a sua empresa.

De acordo com a pesquisa realizada pela Content Trends em 2017, o blog é o segundo canal mais utilizado pelas empresas, com 64,2% de adesão e perdendo apenas para sites institucionais. Ao utilizar o blog como um ambiente online de conteúdo, é possível aumentar naturalmente o tráfego no seu site – empresas que publicam posts em blogs recebem até 3,7 vezes mais visitas por mês –, além de conseguir construir, aos poucos, um relacionamento de confiança com os usuários que vão utilizar a sua empresa como referência quando precisarem pesquisar sobre determinado conteúdo.

Para realizar um conteúdo de qualidade para o blog, no entanto, é necessário estar atento à alguns pontos, como por exemplo: periodicidade nas postagens e manter sempre a mesma frequência, para que os usuários entendam como o blog funciona (que dependerá do tamanho do seu negócio e da equipe disponível para construir um marketing de conteúdo, de maneira que não atrapalhem a qualidade do que for produzido); planejamento de pautas (devem ser pensadas antes para que o conteúdo seja mais organizado e consiga, de maneira mais fácil, responder todas as dúvidas da sua audiência); otimização de texto para o Google por técnicas de SEO (Search Engine Optimization); e estrutura de comunicação diversificada (enriqueça seu conteúdo com subtítulos, imagens, infográficos, vídeos e qualquer outro tipo de informação visual, além da escrita).

 

Fonte: Viver de Blog

 

2. Redes sociais:

Redes sociais são, atualmente, muito utilizadas em estratégias de marketing de conteúdo. Isso porque elas permitem interação direta com o usuário, um grande poder de viralização de conteúdo, maior engajamento e, consequentemente, a criação de um relacionamento mais “próximo” entre a marca e a empresa e maior tráfego no site.

A grande maioria das pessoas utiliza as redes sociais hoje em dia para se comunicar, para consumir conteúdo e para entretenimento, e por isso, é importante que o seu negócio esteja atendo à audiência que pode encontrar nelas – de acordo com a Social Media Trends 2018, 94,4% das empresas brasileiras já estão presentes nas redes sociais!

Mas como se comunicar nelas da melhor maneira?

É essencial, principalmente, criar uma relação com o consumidor e não apenas falar sobre a sua marca. Produza conteúdos diretamente voltados para a plataforma, para que assim, o engajamento seja cada vez maior e os usuários se sintam mais próximos, querendo curtir, comentar e compartilhar uma publicação, por exemplo. Quando os usuários estão nas redes sociais, provavelmente não estão procurando anúncios, mas sim conteúdo que possam consumir. Por isso, quando eles são muito intrusivos, podem acabar atrapalhando a experiência do cliente e gerando uma imagem negativa da marca. Então, descubra sempre qual é a hora certa e a maneira certa de impactar essas pessoas!

Além disso, tenha em mente que, apesar do Facebook ser a maior rede social do mundo atualmente – atingindo o número impressionante de 2 bilhões de usuários em julho de 2017, sendo 102 milhões deles, brasileiros – estar presente na plataforma não é o suficiente para que a empresa tenha sucesso nas redes sociais e construa um relacionamento com o consumidor. Para ter um diferencial das outras empresas, é importante estar atento às outras redes onde se encontram suas personas e produzir conteúdo de qualidade em todas elas, como Instagram, Linkedin, Twitter, Youtube, entre outros.

 

 

3. Materiais ricos:

Conteúdos ricos são considerados materiais educativos, que agregam valor aos seus visitantes e abordam determinado tema de maneira mais detalhada do que apenas um post. Eles podem ser feitos em diversos formatos, como por exemplo ebooks, whitepapers, templates, infográficos, planilhas, pesquisas, artigos, webinars, entre outros. Seu principal objetivo, portanto, é oferecer um conteúdo que ensine algo aos seus clientes ou possíveis clientes da maneira mais didática possível, mostrando que a empresa é uma referência no assunto.

Mas quais são as principais vantagens de produzir esse tipo de conteúdo?

Simples! Quanto mais completo e educativo, mais pessoas terão vontade de acessá-lo para conhecer o assunto abordado e, consequentemente, mais leads serão gerados para o seu negócio, já que para obter esse tipo de conteúdo, normalmente, o usuário deve preencher um pequeno formulário com dados de cadastro, como e-mail e telefone – o que são dados valiosos para uma empresa na hora de pensar em estratégias de marketing!

Para que os conteúdos ricos sejam divulgados da melhor maneira, uma alternativa muito utilizada pelos sites é coloca-los nas suas Landing Pages, ou seja, páginas de entrada do site que são voltadas para a conversão.

É claro que esse processo exige muita pesquisa e dedicação! Por isso, é importante que a empresa foque em fazer e divulgar conteúdos que, de fato, sejam do interesse do público-alvo e sejam relevantes.

 

 

4. Vídeos:

Não é mais novidade que, hoje em dia, os vídeos estão sendo cada vez mais acessados e utilizados como formato de marketing de conteúdo. De acordo com relatório da Cisco, a previsão é que, em 2019, 80% do tráfego da internet seja apenas de vídeos. Portanto, caso sua empresa não esteja produzindo – ainda – conteúdos nesse formato, ela está perdendo tempo!

Os vídeos estão se tornando cada vez mais populares pela facilidade de serem assistidos em qualquer dispositivo móvel, além de chamarem a atenção do público por serem dinâmicos, simples e rápidos, mas com qualidade e conteúdo relevantes. Ao mesmo tempo que parece ser uma missão difícil, é possível, também, abrir espaço para uma grande quantidade de oportunidades de anúncios e maneiras de criar um relacionamento mais próximo com os clientes.

Os vídeos podem ser utilizados, por exemplo, em blogs e redes sociais para aumentarem a atração, retenção e engajamento dos seus consumidores – principalmente no Youtube, maior plataforma de vídeos do mundo com 1,5 bilhão de pessoas conectadas. Nem sempre, quando procuramos por determinada informação na internet, queremos ler um texto sobre ele. Muitas vezes, procuramos por algo mais interativo e dinâmico, e por isso os vídeos surgiram como uma alternativa para empresas que querem ter um diferencial na hora de impactar o público.

De acordo com dados da Hubspot, adicionar um vídeo em e-mail marketing, por exemplo, pode aumentar as taxas de cliques em 200 a 300%, e sua incorporação em páginas pode aumentar as taxas de conversão em 80% no site. Atualmente, 87% dos comerciantes utilizam conteúdos em vídeo como parte da sua estratégia de marketing digital, e 90% dos clientes informam que assistir vídeos anteriormente à uma compra os ajuda na hora de tomada de decisão. Além disso, 64% dos entrevistados afirmam que são mais propensos a comprarem um produto online depois de assistirem um vídeo sobre ele, e um terço do tempo que as pessoas passam online, hoje em dia, é dedicado a assistir vídeos – anúncios nesse formato já representam mais de 35% de todas as despesas publicitárias online!

 

 

5. E-mail marketing

O e-mail marketing pode ser definido como a comunicação entre uma empresa e seus consumidores por e-mail. Toda informação recebida por e-mail de uma marca, empresa ou serviço, é considerado e-mail marketing. Antes era visto como uma ferramenta de propagandas, mas hoje já se tornou uma das maneiras mais eficientes de comunicação com o cliente, já que seu volume vem aumentando desde 2017.

Profissionais de marketing devem estar sempre atentos à importância de utilizá-lo corretamente, para que a comunicação com os usuários seja cada vez mais rápida, prática e, principalmente, direta, já que a mensagem está sendo enviada especificamente para aquele cliente – é importante que ele sinta isso, e não apenas que recebeu uma mensagem enviada para milhares de usuários, como um spam.

Além de ser um dos canais com maior ROI em uma estratégia de marketing de conteúdo, o e-mail marketing possui facilidade de mensuração e oferece, exatamente, taxas como cliques, abertura de e-mail e recebimento. Existem inúmeras vantagens de utilizar a ferramenta para comunicação, como por exemplo a visibilidade para a marca, grande possibilidade de segmentação de audiência, atingindo apenas usuários interessados nos seus serviços, interatividade com o cliente, agilidade em se corresponder e boa relação custo x benefício.

Segundo pesquisa realizada pelo Radicati Group, em 2015, existiam 2,5 bilhões de usuários de e-mail no mundo, e a tendência é que esse número aumente para 2,9 bilhões em 2019. Por isso, investir nesse canal por meio de newsletter e divulgações de materiais por meio de e-mails promocionais, por exemplo, é uma estratégia importante para nutrição de leads.

 

 

Como é feita a distribuição de conteúdo?

Como pudemos notar, existem diversas maneiras e formatos de nos comunicarmos com clientes e possíveis clientes online. No entanto, depois de entender aonde seu público se encontra e quais dessas estratégias funcionam melhor para o seu negócio, é importante também, saber como esse conteúdo será distribuído e quais estratégias são utilizadas.

Além das mídias tradicionais que já existem há muito mais tempo como televisão e revistas, a tecnologia nos permitiu que, por meio do ambiente digital, existam muitas outras formas de distribuição de mídia, tanto por tráfego orgânico e gratuito, quanto por canais pagos, principalmente por meio de anúncios.

Alguns desses meios pagos mais conhecidos são, de acordo com o Viver de Blog:

  • Banners, que são localizados nas páginas de um site ou de um blog, por exemplo;
  • Posts patrocinados, ou seja, que são pagos para aparecerem no topo de sites de pesquisa como o Google;
  • Anúncios em redes sociais e em dispositivos mobile;
  • Remarketing, que trata-se da estratégia de impactar novamente um usuário que já pesquisou pelo seu produto e demonstrou interesse, mas não chegou a finalizar a compra por algum motivo;
  • Publicidade nativa, que são anúncios com o mesmo formato e design do site que estão inseridos, com o objetivo de melhorar a experiência do consumidor.

Já os canais de tráfego orgânico – ou não pagos – são:

  • Boca a boca, estratégia que ainda funciona já que, muitas vezes, procuramos pela indicação de amigos ou influenciadores digitais que já utilizaram e recomendam um produto ou serviço;
  • Viralização em redes sociais;
  • Conteúdos otimizados para SEO, ou seja, conteúdos que são produzidos para alcançarem o topo na lista de buscas de sites como o Google sem precisarem pagar por isso, apenas com a relevância de seu texto e das suas palavras-chave.

 

Se você chegou até aqui no nosso especial, já conseguiu entender o que é marketing de conteúdo, quais são as suas principais vantagens, etapas para realizar uma boa estratégia e quais canais de comunicação são os mais recomendados. Inúmeras empresas, hoje em dia, já estão colocando em prática o marketing de conteúdo e obtendo sucesso, e é sobre isso que vamos falar no nosso próximo – e último – dia de especial!

Quais cases de sucesso de marketing de conteúdo já existem e quais são as tendências da estratégia para os próximos anos? Confiram no próximo texto!

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Início