Artigos Reamp

Conferência Mobile 2018: o que vimos por lá?

Guilherme Kodama, da nossa equipe de AdOps, esteve presente no evento realizado pela Digitalks e contou um pouco do que rolou por lá

Por Guilherme Kodama

Dispositivos móveis, hoje, já se tornaram praticamente uma extensão do nosso braço. Estamos vivendo na era do Mobile, que não consiste apenas em aplicativos e adaptações para smartphones, mas também em serviços prestados com uma experiência diferenciada, através de ferramentas que nos proporcionam maior agilidade e praticidade.

O comportamento do consumidor diante desse cenário do Mobile mudou. De acordo com uma pesquisa realizada por Felipe Shepers, com 1.500 pessoas, alguns fatores conseguem mostrar o seu crescimento nos últimos 12 meses, como por exemplo: 50% dos usuários realizam compras por aplicativos; 74% das pessoas acreditam que a compra pelo Mobile seja tendência; 71% dos usuários acreditam que o site responsivo seja fundamental para realizarem uma compra no mobile; 65% acreditam que cupons e descontos no aplicativo incentivam a utilizar o aplicativo; 34% não se sente seguro em comprar por aplicativos, ou fazem compras de menor valor; 43% admitem terem feito compras depois de terem visto posts patrocinados.

Uma das maiores dificuldades encontradas pelas empresas atualmente, é em como unir o on e o offline atrelando as marcas e a publicidade. A Conferência Mobile 2018, realizada pela Digitalks, abordou o tema e também teve seu foco em inovações e tendências voltadas ao Mobile.

O aplicativo é a materialização de um serviço, proporcionando ao usuário uma experiência digital única e que pode ser boa ou ruim. Isso faz com que as marcas sejam “forçadas” a aumentarem seu acesso e otimizarem as experiências do consumidor através do mobile. Uma vez que a marca não toma nenhuma ação de inovação, outra marca já está fazendo e se destacando.

Pesquisas mostram que, em média, os brasileiros mantêm entre 8 e 10 aplicativos instalados em seus smartphones, sendo 6 deles voltados às redes sociais – ou seja, sobra espaço para 2 ou 3 aplicativos para outras finalidades. A questão é: como manter um aplicativo instalado no celular de um usuário por mais tempo?

Algumas empresas de varejo (por exemplo a Magazine) adotam a estratégia de disponibilizar vantagens como promoções ou cupons de desconto para consumidores que realizarem compras através do seu aplicativo. Outro incentivo para a instalação de aplicativos nos celulares é o fato de que muitas marcas ainda não possuem um site responsivo para smartphones, atrapalhando a interação do usuário ou a sua navegação no momento da compra.

De acordo com o que foi falado durante o evento, outras tendências que vêm crescendo muito no mercado são Voice Commerce – que nada mais é do que compras realizadas através de comandos de voz, Chatbots – bots que interagem com o usuário ajudando em atividades do dia a dia e automatizando processos, e a realidade virtual. Essas e outras inovações que estão surgindo nos ajudam a entrar em uma nova era: a da Smartização.

Nessa nova era, tudo se torna “smart”: celulares, acessórios, eletrodomésticos, utensílios e muitas outras coisas. Dessa maneira todos nós – não só pessoas, mas também objetos – estamos conectados de uma única forma. Assim, devemos pensar em mais aplicações e menos aplicativos. O que o consumidor procura viver hoje não é apenas um aplicativo, mas sim, uma experiência digital.

 

 

 

 

 

 

 

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Início