Estratégia

Evento F8: quais foram os principais anúncios?

Confira os principais anúncios de novas ferramentas e mudanças que foram feitos na conferência anual de desenvolvedores F8 do Facebook

A conferência anual de desenvolvedores F8 do Facebook é, tipicamente, repleta de produtos chamativos e novos anúncios de recursos. Durante este ano, o gigante das mídias sociais vem passando por uma onda de escândalos envolvendo o vazamento de dados de 87 milhões de usuários para campanhas políticas nos Estados Unidos, além das mudanças que estão sendo feitas na sua política de entrega de anúncios. E foi, em meio a este cenário, que a edição de 2018 do evento aconteceu na última semana (01 e 02/05), na Califórnia.

Mesmo em meio à enorme discussão sobre transparência das empresas e privacidade dos usuários que o caso do Facebook gerou, o CEO da empresa, Mark Zuckerberg e outros executivos, revelaram uma variedade de novos produtos nos dois dias de conferência – voltada à profissionais que utilizam a rede social para negócios. Alguns dos principais anúncios para as três plataformas (Facebook, Instagram e Whatsapp) foram:

 

1. Ferramentas para anúncios:

Novos recursos foram apresentados pelo Facebook para ajudar os usuários a entenderem como as pessoas interagem com os seus negócios. Dessa maneira, torna-se mais fácil de tomar decisões baseadas em fatos reais, facilitando o planejamento de marketing.

Os recursos do Facebook Analytics são cuidadosamente construídos para proteger a privacidade das pessoas. Não são compartilhadas informações identificáveis individualmente, como endereços de e-mail ou números de telefone e, todas as métricas disponíveis são baseadas em dados agregados e anônimos. O Journeys, por exemplo, permite que usuários vejam dados e relatórios omnichannel, dando uma visão holística das diferentes interações que as pessoas têm com a empresa antes de converter, de fazer uma compra ou se inscrever.

Por meio do aplicativo para celulares do Facebook Analytics que está sendo desenvolvido, é possível checar métricas, criar painéis com relatórios salvos no desktop, entre outros. Dessa maneira, profissionais de marketing podem obter insights baseados em parâmetros personalizados e detectar funis automaticamente.

 

2. Limpeza de histórico de navegação do Facebook:

Para que a privacidade do usuário seja garantida, foi anunciada pela empresa a ferramenta Clear History, que oferece a possibilidade de apagar os dados e históricos de ações na rede social.

Para que um anúncio seja mostrado no feed de notícias, esses dados são coletados pelo Facebook Analytics de acordo com as preferências e hábitos de navegação de cada usuário e, de maneira personalizada, a pessoa será impactada com um produto ou serviço de seu interesse.

Por isso, durante a divulgação da nova ferramenta, o CEO explicou que a experiência do usuário na rede social pode ser pior caso ele queira apagar seus dados, já que não será possível personalizar os anúncios que serão entregues a ele. Para que as marcas continuem anunciando no site, os dados continuarão sendo entregues, mas de maneira mais generalizada.

 

3. Aplicativo de relacionamento:

O Facebook estará integrando, também, um recurso chamado Dating Home, destinado a promover encontros online diretamente do seu aplicativo de rede social. A ferramenta será opt-in e acessível, e o usuário pode selecioná-la em um pequeno ícone de coração no canto superior direito da página do Facebook.

Assim como aplicativos que já existem, como o Tinder, os usuários que escolherem criar um  perfil de namoro no Facebook poderão conversar com possíveis correspondentes com base em eventos e grupos nos quais ambos estão interessados.

O usuário pode, por exemplo, selecionar um grupo e clicar nos perfis dos membros, tendo acesso às suas fotos e interesses. Depois, basta clicar em uma foto para iniciar a conversa. “Isso será para construir relacionamentos reais a longo prazo, e não apenas conexões”, destacou Zuckerberg.

A versão beta do aplicativo poderá ser testada ainda este ano, mas não tem sua data confirmada.

 

 

4. Chamadas por vídeo – e em grupo!

Assim como já acontece no Facebook Messenger, agora, o Instagram também terá o recurso de chamadas por vídeo entre duas pessoas ou em grupo. Na rede social, os usuários poderão falar com seus amigos através de vídeos nos Directs, e minimizar a tela para continuarem conversando enquanto utilizam o aplicativo simultaneamente.

 

 

O Whatsapp também terá o mesmo recurso chamado Group Callings, e permitirá que quatro pessoas conversem por chamada de vídeo ao mesmo tempo. Além da nova facilidade, o aplicativo também irá oferecer opções de stickers (adesivos) que podem ser inseridos nas mensagens.

 

5. Mudanças no Instagram Stories e no “Explorar”:

Além das chamadas por vídeo, o Instagram também está incorporando novos recursos como a possibilidade de compartilhar diretamente o que um usuário está ouvindo no Spotify em seu Stories. O objetivo é fazer com que, cada vez mais, outras plataformas possam estar integradas à ferramenta da rede social.

A aba de “Explorar” do Instagram também está passando por mudanças. Agora, ao invés de ver Stories, fotos e vídeos de pessoas que possam interessar ao usuário, os conteúdos serão divididos por temas, como “arquitetura”, “natureza”, “casamento” por exemplo, além das hashtags. Esses tópicos serão personalizados para cada pessoa, facilitando sua busca por imagens e temas específicos.

 

 

6. Realidade virtual e realidade aumentada:

O headset de realidade virtual do Facebook, Oculus GO, começou a ser vendido na última semana e custa US $199. Ao contrário do headset já existente, Oculus VR, a nova versão não precisa estar conectada à um computador ou celular, e funciona também com uma tela de LCD.

 

 

Por meio da mesma tecnologia do Samsung Gear VR, o produto oferece mais de 1.000 aplicativos e jogos em realidade virtual que também já foram anunciados. “A Oculus Rooms, originalmente lançado para o Gear VR, foi redesenhado com o lançamento do Oculus Go e permite que amigos joguem jogos de tabuleiro, assistam filmes e muito mais”, diz o texto oficial de lançamento.

Além disso, no Messenger, a realidade aumentada permite que o usuário teste produtos de uma marca, além de interagir com eles. O chefe do Messenger, David Marcus, mostrou uma demonstração do novo tênis Nike lançado no aplicativo: usuários com um código especial podem dar zoom e conferir o novo tênis, compartilhá-lo com seus amigos e clicar para realizar a compra.

 

AR Camera Effects for the Messenger Platform

Publicado por Messenger Platform em Segunda, 30 de abril de 2018

 

7. Fotos antigas transformadas em um mundo virtual imersivo:

O recurso experimental impressionou durante a sua exposição no evento. A empresa utilizou a tecnologia de machine learning e algo chamado de “point-cloud reconstruction” para transformar fotos e vídeos planos e bidimensionais em mundos 3D imersivos.

“Você utiliza um headset de realidade virtual e está lá novamente. Andando por aí. Olhando em volta. Vendo os lugares onde suas memórias aconteceram”, disse um executivo do Facebook durante a demonstração.

 

 

8. Recurso de votos positivos e negativos:

Os usuários, a partir de agora, poderão fazer um upvote e um downvote em comentários do Facebook, afetando a ordem com que eles aparecem em um post. É um recurso que os usuários estão pedindo cada vez mais, de acordo com os seus executivos, e a plataforma está finalmente adotando.

 

 

9. Messenger está sendo reformulado:

O Facebook Messenger está recebendo uma grande reformulação no seu design, para que o aplicativo seja menos complicado e confuso.

As mudanças, que estão chegando em breve, simplificam o aplicativo de mensagens independentes, abandonando uma guia dedicada a jogos e câmeras e focando na comunicação, incluindo novos recursos que traduzem mensagens em diferentes idiomas e trazem realidade aumentada para compras online. Além disso, a nova versão também terá um modo escuro.

 

 

10. Inteligência artificial e discurso de ódio:

Na batalha contínua do Facebook contra discurso de ódio, a empresa disse que sua tecnologia de inteligência artificial está, agora, sinalizando conteúdos que tenham discurso de ódio antes mesmo de serem relatados. Com mais de 2 bilhões de usuários, esse tipo de processo automatizado pode trazer muitas eficiências.

No entanto, a empresa afirmou que ainda precisa de moderadores humanos para revisar o conteúdo de ódio sinalizado, para que não sejam censurados acidentalmente postagens sarcásticas ou que estejam criticando o discurso.

 

Parte desse conteúdo foi originalmente veiculado em Business Insider

Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Início